Motorola vence pregão para fornecer câmeras corporais à PM de SP

A gestão de Tarcísio de Freitas (Republicanos) abriu um pregão eletrônico, nesta segunda-feira, 10, para a compra de câmeras corporais para a Polícia Militar (PM) de São Paulo. A Motorola venceu a disputa.

+ Leia mais notícias de Política em Oeste

A empresa, no entanto, ainda precisa passar por alguns procedimentos. Documentos ainda terão de ser apresentados antes da aquisição dos equipamentos.

Proposta da Motorola é 30% menor do que o valor estimado

O pregão contou com a participação de 14 empresas. Segundo o governo de São Paulo, a proposta da Motorola é 30% menor do que o valor estimado pela PM. 

A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo informou que a proposta vencedora representa um gasto estimado de R$ 4,3 milhões mensais. Isso representa uma redução de 54% em relação aos contratos atuais com a Axon.

O edital prevê a contratação de 12 mil câmeras corporais 

O edital, lançado no fim de maio, prevê a contratação de 12 mil câmeras. Os equipamentos vão permitir a gravação de ocorrências pelos policiais ou acionamento remoto por uma central da PM. As câmeras precisam estar equipadas com tecnologia de reconhecimento facial e leitura de placas de veículos.

Atualmente, as câmeras corporais gravam de forma ininterrupta. Agora, no entanto, o novo formato vai permitir uma maior gestão operacional e eficiência do sistema, segundo o governo. A gestão de Tarcísio de Freitas afirma que o acionamento será obrigatório. 

“Tivemos bastante concorrência e uma redução importante no custo da câmera”, disse Tarcísio em entrevista coletiva. “Agora vamos para a segunda fase, que é a prova de conceito, em que será verificado se o equipamento da empresa vencedora atende a tudo que foi especificado no edital.”

Desafios judiciais e opiniões

No fim do mês passado, a Defensoria Pública de São Paulo e a Conectas Direitos Humanos entraram com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o uso das câmeras corporais. 

Esses órgãos afirmam que o edital “desvirtua o uso dos equipamentos ao deixar a critério da própria PM quando e como as ações seriam gravadas”.

Nesta segunda-feira, o presidente do STF, Luís Roberto Barroso, determinou que o governo de São Paulo apresente um relatório sobre a efetividade das novas câmeras corporais seis meses depois do início do uso.

Leia também:

Ajude a manter online o Litoral Hoje fazendo uma pequena doação por PIX. Utilize a chave PIX CNPJ 45.315.952/0001-32. Ou deposite na conta: Banco Original – 212 – Agência 0001 – Conta 7296983-0. Agradecemos a sua colaboração.

Fonte: Revista Oeste


Você pode gostar também de