‘Fundão’ custeou viagens internacionais da família de dirigente partidário

Principal alvo da Polícia Federal (PF) na Operação Fundo no Poço, por suspeita de desviar R$ 36 milhões dos fundos partidário e eleitoral, o presidente do Solidariedade, Eurípedes Gomes de Macedo Júnior, é apontado na investigação como “líder de organização criminosa”. Ele teve a prisão preventiva decretada, mas está foragido.

Pivô do inquérito, aberto depois das eleições de 2022, o dirigente partidário arrastou também familiares, suspeitos de serem “testas de ferro” do esquema sob apuração da PF.

A mulher de Macedo Júnior, Ariele de Oliveira Coimbra Macedo, seu irmão, Fabrício George Gomes dos Santos, a cunhada, Kelle Pereira da Silva Dutra, a mãe, Maria Aparecida dos Santos, o primo, Alessandro Sousa da Silva, os filhos e os sobrinhos são investigados. Alguns ocupam cargos de gestão do Solidariedade.

+ Leia mais notícias de Política em Oeste

O jornal O Estado de S. Paulo teve acesso à decisão que autorizou a operação. O documento, de 95 páginas, detalha como recursos repassados ao partido teriam sido desviados e usados para pagar viagens internacionais da família.

Diversos destinos são listados na investigação da PF contra o presidente do Solidariedade: Emirados Árabes, França, República Dominicana, Estados Unidos, México e Itália.

Segundo os investigadores, o político se apropriou do dinheiro do partido para custear passagens aéreas, hospedagens em hotéis de luxo e até cruzeiros.

Leia mais

A Polícia Federal identificou uma transferência de R$ 100 mil para uma empresa de turismo, em 13 de março de 2022, dias antes de Macedo Júnior ser afastado da direção do partido. Ele recuperou o cargo meses depois.

O que diz a PF

Na descrição da nota, consta: “Crédito para ser utilizado em viagens nacionais e internacionais, locação de carro, hospedagem, salas de reunião e eventos, seguro-viagem e bilhetes aéreos nacionais e internacionais”. Para os investigadores, ao perceber que corria risco de perder acesso à gestão do dinheiro do partido, o presidente do Solidariedade “buscou garantir um crédito com uma agência de turismo para custeio de suas viagens”.

Dois destinos em particular chamam atenção da PF: Miami e Orlando. Isso porque quase sempre as viagens aos Estados Unidos tinham escaladas prolongadas no Panamá, um paraíso fiscal. Os policiais federais vão investigar se a família mantém contas em offshores.

O fluxo de viagens e o paradeiro até então incerto de um helicóptero registrado em nome do Pros (partido que se fundiu com o Solidariedade) levaram o juiz Lizandro Garcia Gomes Filho, da 1ª Zona Eleitoral de Brasília, a mandar apreender os passaportes de todos os investigados, por ver risco de fuga. A aeronave foi apreendida na operação desta semana.

A PF investiga ainda se candidaturas laranjas e contratos falsos com escritórios de advocacia foram usados para operacionalizar desvios.

Revista Oeste, com informações da Agência Estado

Ajude a manter online o Litoral Hoje fazendo uma pequena doação por PIX. Utilize a chave PIX CNPJ 45.315.952/0001-32. Ou deposite na conta: Banco Original – 212 – Agência 0001 – Conta 7296983-0. Agradecemos a sua colaboração.

Fonte: Revista Oeste


Você pode gostar também de