Fim das contas de luz? Tecnologia inovadora produz eletricidade a partir da água encanada e promete revolução no mercado

Atualmente, quando o ser humano necessita de água, basta abrir a torneira, e ela flui limpa e abundantemente. Para que ela alcance as residências, percorre bombas e extensas tubulações. Considerando esse cenário, uma empresa desenvolveu uma tecnologia inovadora para gerar eletricidade a partir da água encanada.

A água potável e a eletricidade são recursos indispensáveis para a civilização. De acordo com os princípios da física, todo corpo em movimento é capaz de gerar trabalho, e o fluxo de água, ao percorrer os encanamentos em alta velocidade, não é uma exceção.

Pode-se utilizar esse movimento para acionar uma pequena turbina e gerar energia a partir da água. Essa tecnologia pode parecer familiar, e de fato é, uma vez que espelha o processo empregado nas usinas hidrelétricas para gerar eletricidade. Dessa forma, a tecnologia para a geração de eletricidade a partir da água encanada assemelha-se a uma mini usina hidrelétrica.

A água da represa passa por tubos que são interligados às turbinas, que passam a girar devido à força da água. Nas hidrelétricas cada turbina é acoplada a um equipamento chamado gerador, que transforma o movimento das pás da turbina em energia.

Na cidade de Portland, nos EUA, a tecnologia de gerar energia a partir da água já é utilizada. Esse método foi patenteado pela empresa Lucid Energy, especializada em desenvolver sistemas para gerar energia elétrica através de soluções inovadoras.

A tecnologia capaz de gerar eletricidade usando água encanada possui potência o suficiente para alimentar pelo menos 150 casas. Vale destacar que a empresa usa a tecnologia das tubulações de água não apenas para gerar energia elétrica, mas também para outros projetos. Um exemplo é o uso das tubulações para alimentar postes de luz e outros pontos de iluminação em cidades, possibilitando economia nos custos operacionais.

A geração de energia a partir da água de tubulações oferece vários benefícios. Em primeiro lugar, como já dito antes, trata-se de uma fonte sustentável e constante. Além disso, esse método aproveita infraestruturas já existentes, como redes de abastecimento, promovendo eficiência energética sem gerar impactos ambientais.

Enfim, dessa forma, empresas e cidades podem reduzir seus gastos energéticos, especialmente aquelas com alto consumo de água. As tubulaações da LucidEnergy também possibilitam monitorar vazamentos e qualidade da água, otimizando a gestão hídrica.

A vantagem ambiental também se destaca, visto que ao contrário das hidrelétricas, essa abordagem para gerar energia a partir da água não prejudica ecossistemas aquáticos. Vários setores industriais se beneficiam, incluindo processamento, termelétricas, datacenters e distribuição de água, podendo vender energia excedente. Por fim, além da geração de eletricidade da água encanada, as tubulações integram sensores para monitorar a qualidade da água e otimizar a infraestrutura.

Há outro caso parecido no Brasil, conhecido como tecnologia UGES e funciona da seguinte forma: A água encanada da rua segue em sentido à caixa d’água doméstica, que funciona como um reservatório e para que seja possível aproveitar essa energia, antes essa água passa por um processo de pressurização e sua pressão será aumentada significativamente.

Quando a água se encontrar em um nível de pressão satisfatório uma turbina compacta será acoplada sobre a tubulação, próximo ao local onde fica a boia da caixa d’água. Nesta turbina estão conectados fios elétricos e um transformador, que possibilita que a energia mecânica seja convertida em energia elétrica.

Segundo os desenvolvedores, é possível gerar até 34 W de potência por litro de água com esta tecnologia e sua aplicação é voltada para abastecimento de pequenas cargas.


Ajude a manter online o Litoral Hoje fazendo uma pequena doação por PIX. Utilize a chave PIX CNPJ 45.315.952/0001-32. Ou deposite na conta: Banco Original – 212 – Agência 0001 – Conta 7296983-0. Agradecemos a sua colaboração.

Fonte: Click Petróleo e Gás


Você pode gostar também de