China rompe o mercado fotovoltaico vendendo painéis solares a preço de custo. Agora, suas empresas estão sofrendo: LONGi, o maior fabricante do mundo, demite 4.000 e lucros caem 44%. Saiba como a China enfrenta a crise fotovoltaica

O mercado fotovoltaico chinês entrou oficialmente em crise. A LONGi, o maior fabricante de painéis solares do mundo, demitirá 4.000 funcionários após lucrar 44% menos no terceiro trimestre de 2023. A superprodução e uma concorrência excessivamente agressiva estão sufocando suas finanças.

Os alarmes soaram quando a Bloomberg publicou que a LONGi planejava cortar quase um terço de sua força de trabalho. O artigo falava de uma força de trabalho de 80.000 funcionários, que começou a diminuir em novembro com a demissão de milhares de pessoas, principalmente estagiários de administração e trabalhadores das fábricas.

Na terça-feira, a empresa suavizou os rumores, anunciando que demitiria 5% de seus trabalhadores, cerca de 4.000 funcionários.

Para a LONGi, este é o primeiro tropeço após uma expansão vertiginosa em todo o mundo. Os lucros da empresa caíram 44% no terceiro trimestre de 2023 e a ação, 70% desde seu máximo histórico em 2021. Em outubro, a empresa afirmou que havia “cometido um erro” ao não ser agressiva o suficiente com os preços. Na terça-feira, explicou que “o mercado fotovoltaico enfrenta um ambiente cada vez mais complexo e competitivo”.

A China conseguiu fazer com que o mundo inteiro dependesse de sua tecnologia solar em três passos:

Somente na China, a intensa superprodução levou ao cancelamento de projetos equivalentes a 70 GW de capacidade, especialmente de células tipo P e M6, cuja demanda continuará caindo nos próximos anos.

No entanto, a China tem uma vantagem competitiva mesmo neste contexto, pois planeja construir mais de 1000 GW em capacidade de células tipo N, a tecnologia de próxima geração que sucederá as tipo P. Sua capacidade de fabricação é 17 vezes maior que a do resto do mundo e pode causar um novo pico no mercado até 2025.

As empresas chinesas LONGi, Jinko, Trina Solar e AE Solar dominam 80% do mercado fotovoltaico global, mas é precisamente a LONGi que tem mais chances de superar a crise.

Ela é a maior empresa do mercado fotovoltaico, conseguiu recordes de eficiência com tecnologias de próxima geração, como as perovskitas, e está sentada sobre uma montanha de dinheiro: cerca de 7,4 bilhões de dólares, muito mais que a maioria de seus concorrentes.

Imagem: LONGi

Fonte: Bloomberg


Ajude a manter online o Litoral Hoje fazendo uma pequena doação por PIX. Utilize a chave PIX CNPJ 45.315.952/0001-32. Ou deposite na conta: Banco Original – 212 – Agência 0001 – Conta 7296983-0. Agradecemos a sua colaboração.

Fonte: Click Petróleo e Gás


Você pode gostar também de