Opositor de Maduro promete renovar a política no país

Edmundo González Urrutia, candidato presidencial do bloco antichavista, prometeu renovar a política na Venezuela, comandada pelo ditador Nicolás Maduro. Durante o lançamento de sua campanha, ele disse que irá garantir serviços básicos como eletricidade e água potável, e assegurou que não haverá presos políticos. “O respeito aos direitos políticos e à institucionalidade são cruciais”, declarou.

+ Leia mais notícias de Mundo em Oeste

O discurso ocorreu neste sábado, 18, em La Victoria, cidade do Estado de Aragua, a uma hora de Caracas, onde González Urrutia, de 74 anos, nasceu. Diplomata de carreira e candidato pela Plataforma Unitária Democrática (PUD), ele enfatizou a importância de um presidente que não trate os opositores como inimigos e se comprometeu a promover melhorias na saúde e educação.

Ele assegurou uma transição de poder pacífica e democrática, sempre em conformidade com a Constituição venezuelana. Além disso, em um apelo à Força Armada Nacional, destacou a importância vital desta para a segurança do país e reiterou seu compromisso com a institucionalidade.

Desde seu primeiro discurso, no último dia 24, Urrutia destaca a importância de “marchar pela recuperação” da democracia venezuelana e clamou por união para obter a vitória nas eleições de 28 de julho.

Naquela ocasião ele já havia afirmado que há urgência em combater a pobreza, a inflação e a desvalorização da moeda que afligem o país. “Ninguém pode ficar indiferente à situação de milhões de nossos compatriotas, uma pobreza que se expande enquanto a inflação persiste e a moeda perde valor real.”

O candidato também enfatiza o compromisso da PUD com uma “Venezuela para todos”, com justiça, autonomia e independência dos poderes públicos, além de assegurar que ninguém será perseguido por suas ideias.

“Estamos comprometidos em promover uma transição que garanta a liberdade dos presos políticos, o retorno dos exilados e de todos os venezuelanos que partiram e desejam retornar.”

Desafios para confirmar a candidatura de Urrutia

Urrutia é graduado pela Universidade Central da Venezuela e possui mestrado em Relações Internacionais pela American University, em Washington D.C. Ele serviu como embaixador na Argélia de 1991 a 1993 e na Argentina de 1998 a 2002.

Sobre sua experiência, comentou que sua profissão fornece “as ferramentas para entender como a Venezuela deve se comportar em um mundo turbulento, atormentado por conflitos”.

A PUD enfrentou desafios para confirmar um candidato. Inicialmente, María Corina Machado foi impedida pela Justiça venezuelana de ocupar cargos públicos pelos próximos 15 anos devido a uma suposta “trama de corrupção”.

Sua substituta, Corina Yoris, não conseguiu registrar sua candidatura no Conselho Nacional Eleitoral (CNE) devido a um bloqueio no sistema. Urrutia foi registrado como candidato provisório em 26 de março, após o CNE estender o prazo de registro.

O presidente Nicolás Maduro, de 61 anos, lidera um regime autocrático sem garantias de liberdades fundamentais, mantendo pessoas presas por “crimes políticos”. Relatórios da OEA e da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (de outubro de 2022, novembro de 2022 e março de 2023) detalham restrições como a “nomeação ilegítima” do Conselho Nacional Eleitoral por uma Assembleia Nacional também considerada ilegítima.

Ajude a manter online o Litoral Hoje fazendo uma pequena doação por PIX. Utilize a chave PIX CNPJ 45.315.952/0001-32. Ou deposite na conta: Banco Original – 212 – Agência 0001 – Conta 7296983-0. Agradecemos a sua colaboração.

Fonte: Revista Oeste


Você pode gostar também de